5 coisas que você não deve fazer no final do ano

Tempo de leitura: 6 minutos

Temos a impressão de que as últimas semanas do ano são sempre de muita festa, comida, bebida, confraternizações, muitas pessoas comprando presentes, panetones e roupas para passar o Réveillon. Tudo isso não deixa de ser verdade, mas nos esquecemos que é exatamente nessa época que aumentam as taxas de pessoas depressivas, com ansiedade e síndrome do pânico.

 

Isso acontece porque o apelo sentimental e mercadológico dessa época é muito forte, crescemos vendo comerciais de famílias felizes no Natal, todos rindo, satisfeitos, à beira de uma mesa enorme, posta com todas as delícias que se possa imaginar. No ano novo, idealizamos uma mega festa à beira mar, com pessoas lindas, jovens e alegres.

 

Mas será que a nossa realidade é essa? Será que todos temos famílias perfeitas, corpos sarados ou uma super festa a cada Natal ou Ano Novo? Diferente do que a mídia nos prega, não temos que ser perfeitos, e eu garanto que você pode aproveitar o seu final de ano do seu jeito, e se sentir muito feliz com isso.

 

Pensando nas angústias e inquietações de todos nós, separei 5 atitudes que você não deve ter, de forma alguma, no final do ano, por mais que todas as células do seu corpo se inclinem a isso!

 

Se culpar por tudo que não fez no ano que passou

Todo mês de janeiro você faz uma lista enorme, cheia de coisas que gostaria de fazer, e quando chega em dezembro, olha para ela e se sente fracassado, porque não conseguiu cumprir nem 30% de tudo o que estava ali? Apenas pare.

 

Ficar se culpando pelo que fez ou não fez no ano que passou não vai te levar adiante. A postura que você deve ter é de gratidão e aceitação, agradeça por tudo o que teve a oportunidade de viver durante esse período, aceite os aprendizados e bola pra frente, sem melancolia! A partir daí, mude de atitude e tente coisas novas, a culpa em si não vai fazer você alcançar seus sonhos, portanto, livre-se dela.

 

Fazer listas de desejos irreais para o ano que está começando

Não sou contra as pessoas fazerem listas de desejos no final do ano, acho que isso é muito benéfico e nos ajuda a organizar as idéias e ver, de forma concreta, o que estamos projetando para o próximo período. Agora, criar uma lista com mais de  100 itens, que inclui desde mudar de emprego, até esquiar em Bariloche, fazer inglês, espanhol, alemão e aula de dança flamenca, se casar, além de trocar de carro e comprar uma caminhonete, tudo isso em um espaço de doze meses, é algo que sou contra SIM!

 

Para planejar é preciso ter foco. Qual é o real foco do seu próximo ano? Trabalho, vida espiritual, relacionamento amoroso, vida social, estudos? Podemos articular diversas áreas de nossas vidas, de modo que possamos trabalhar em seu desenvolvimento ao mesmo tempo, mas a regra geral é: uma coisa de cada vez.

 

Aconselho meus coachees a criarem uma  lista ampla, com seus principais desejos para o próximo ano, e uma outra lista, com metas semanais e mensais, para alcançarem aquilo a que se propuseram na primeira lista. Elas precisam ser funcionais e têm um objetivo claro: lembrar você daquilo que deseja fazer. Experimente.

 

Tentar agradar todo mundo

No final do ano, há quem se endivide para agradar amigos e familiares, gastando o que não pode para ostentar um status que não tem. Outras pessoas vão a eventos que não gostariam de participar, para agradar pessoas de quem nem gostam muito.

 

A palavra de ordem aqui é: respeite-se! Você conhece seu orçamento, sua disponibilidade de tempo, dinheiro e espaço, portanto, não force a sua barra para agradar o outro, respeite o seu espaço e veja como você terá um final de ano muito mais tranquilo e agradável.

 

Comparar-se com os outros

Poxa, esse ano não vou viajar, mas a minha prima vai passar o ano novo em Punta Cana. Estou andando a pé, mas meu amigo trocou de carro há poucos meses. Acho que estou gorda, enquanto a minha irmã está firme e forte na academia. Esse tipo de pensamento, que surge com a exposição a que as pessoas se submetem nas redes sociais, principalmente no final do ano, deve ser combatido.

 

Pode parecer clichê, mas temos que nos amar por aquilo que nós somos, se você tem o carro do ano ou não, se está desempregado, casado, solteiro ou divorciado, se passou suas últimas férias em Londres ou na praia a 1 hora da sua casa: não importa, é a SUA história. Você teve seus motivos para fazer o que fez e merece ser feliz, independente de como estiver hoje. Com o ano novo, você terá mais 365 dias para mudar aquilo que você desejar na sua história, portanto, se ame e pare de se comparar com o amiguinho do lado.

 

Permanecer na inércia

E finalmente, pode ser que você nem ligue muito para esse lance de final de ano, que não goste de Natal, nem de Ano Novo, que a sua vontade durante esse período seja a de se esconder debaixo da cama e só sair de lá no dia 2 de janeiro.

 

Para meus coachees que pensam dessa forma, eu costumo dizer o seguinte: todas as datas comemorativas da nossa sociedade são uma oportunidade, e mais do que isso, um convite, para repensarmos algumas questões e vivermos determinadas virtudes. Com a alegoria do Natal, pratique a generosidade, o perdão, o renascimento da esperança apesar das dificuldades, o amor ao próximo, a convivência em família. Com o Ano Novo, viva a esperança de dias melhores, faça novos planos, sonhe, planeje, olhe para o futuro.

Essas datas estão carregadas de energias, portanto, coloque nelas as suas melhores intenções, de acordo com as suas crenças, e aproveite a fase para desfrutar a vida, que é o maior dom que você já pôde receber.

 

Eu e toda minha equipe, desejamos que em 2019 você possa alcançar um novo nível! Estaremos juntos para o que der e vier!

 

Grande Abraço em Um Feliz Ano Novo!

 

Lucas Calônego

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *